sexta-feira, 24 de junho de 2016

Parabéns querido, mamãe te ama.

Hoje, o meu filho Eduardo faria 31 anos.
Foram 30 anos de amor, luta, risos, lágrimas, angústia, alegrias, vitórias e fracassos.
Embora, ele não enxergava, não ouvia, não falava, não era independente nas necessidades básicas, não aprendia quase nada, sua presença era marcante.
As suas risadas, os seus resmungos, as batidas de palmas, os seus gritinhos demonstravam que ele estava presente, que mesmo sendo deficiente, existia.
Faz 6 meses que você foi para o Pai, todos os dias sinto a sua falta, tenho muitas saudades.
Eu vivi 30 anos dedicados a você, e agora, estou aprendendo a viver para mim e como é estranho não ter você grudado comigo.
É uma experiência nova viver a minha vida, fico perdida de ter tanto tempo para mim.
Tirei 15 dias de férias após 30 anos, fui sozinha para a praia e foi maravilhoso apreciar o mar e, me senti mais próxima do Eduardo porque joguei as suas cinzas no mar.
Foi catártico porque aceitei a morte do meu filho, fiz as pazes com Deus e agradeci a ele por ter me dado 30 anos com o Eduardo, como também agradeci por tê-lo levado no momento certo, sem dor, sem hospital, sem internações, sem sofrimento para ele e para mim.
Sinto muitas saudades, o amor não morreu com a morte do meu filho, continua forte, é um sentimento bom continuar a te amar porque você mora no meu coração.
Parabéns querido, mamãe te ama.

quinta-feira, 2 de junho de 2016

Recém nascidos com sequelas do CMV sintomáticos.

CMV Sintomático no Nascimento
Dez por cento (10%) de bebês nascidos com CMV congênito vão ser sintomático no nascimento e podem apresentar sintomas visíveis, como tamanho pequeno para a idade gestacional, icterícia ou coloração amarela da pele, uma erupção cutânea chamada petéquias / purpura , e / ou um aumento do fígado e baço. Esses bebês também podem ter um tamanho de cabeça pequena (microcefalia) e pode ter problemas com suas contagens de glóbulos e plaquetas baixas. Cerca de 75% desses bebês terão sinais de comprometimento cerebral e podem enfrentar grandes desafios à medida que crescem, incluindo problemas com a audição, visão, nutrição, crescimento, cognição, aprendizagem, e o tônus motor / muscular. É melhor não fazer suposições, mas sim estar preparado. Cada criança é única.

Perda de audição
Problemas de audição ocorrem em até 75% dos bebês com sintomas de CMV congênita. Em quase todas essas crianças, a perda auditiva vai progredir durante todo o curso de suas vidas. Portanto, as avaliações de audição devem ser realizadas em uma base regular ao longo das suas vidas para detectar a perda e sua progressão, e fala regular e terapia de linguagem auditiva deve ser uma parte do currículo permanente de uma criança.

Problemas de visão / Perda
Os problemas de visão ou perda pode ocorrer em 10-20% por cento das crianças com CMV congênita sintomática. Os tipos de anomalias da visão são diversas e incluem cicatrizes nos tecidos da retina e do músculo do olho. Deficiência visual cortical (IVC) ou cegueira cortical, onde o cérebro traduz indevidamente sinais a partir de um olho saudável, causando incapacidade visual permanente, fazendo com que a deficiência visual seja permanente. Visitas regulares ao oftalmologista, e aguda consciência sobre os problemas potenciais acima, são extremamente importantes em manter e otimizar a visão do seu filho.

Problemas de aprendizagem
Uma criança nascida com CMV congênito sintomático, especificamente com microcefalia e calcificações cerebrais moderada a grave, é muito provável que tenha problemas de cognição. No entanto, esta criança será capaz de aprender de acordo com seu próprio cronograma, utilizando os recursos educacionais disponíveis, e entender como alterar a sua abordagem de ensino vai ajudar a fornecer assistência significativa para você e seu filho. Uma criança com uma cabeça de tamanho normal no nascimento e pouco comprometimento, ou apenas um leve comprometimento do cérebro é muito provável que tenha uma habilidade normal, ou quase normal para aprender no ritmo de seus colegas.

Paralisia cerebral / tônus muscular / Função Motor
Problemas com aumentado (hipertonia) ou diminuição do tônus (hipotonia) muscular também pode ocorrer, especialmente nas crianças mais gravemente afetados com evidência de cérebro precoce e envolvimento do sistema nervoso central. Com a ajuda de especialistas apropriados, terapeutas e aparelhos de mobilidade, esses desafios podem ser enfrentados para proporcionar uma maior qualidade de vida e independência para os pais e a criança.

Problemas de peso / Problemas de alimentação
Os bebês que nascem com CMV congênito sintomático podem ser pequenos no nascimento, mas geralmente com a nutrição adequada, irá mostrar um bom crescimento.
No entanto, algumas crianças terão dificuldades de alimentação, refluxo, aversões a comida ou a textura, ou outras questões que precisam ser abordadas.

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Resultados CMV Congênito

Os bebês que nascem com CMV congênito podem ter resultados descritos abaixo e são diversos, e é difícil prever com qualquer grau de certeza a sua saúde futura ou prognóstico de desenvolvimento.
Os bebês que nascem com CMV congênito podem nascer com defeitos de nascença e deficiências de desenvolvimento, incluindo:
Perda de audição
A perda de visão
Deficiência mental
Microcefalia (cabeça pequena ou o cérebro)
Calcificações intracranianas
Falta de coordenação
Paralisia cerebral
Problemas de alimentação / insuficiência de crescimento (ITF)
Problemas de sono, de comportamento, problemas sensoriais
Convulsões
Morte (em casos raros)
Os bebês que nascem com CMV congênito podem ser sintomáticos ou assintomáticos no momento do nascimento.

Assintomático no nascimento
Ao nascer, 90% dos bebês nascidos com CMV congênito não apresentarão os sintomas óbvios e visíveis do vírus. Estas crianças são esperadas para viver uma vida saudável, geralmente seguindo os padrões de crescimento e desenvolvimento normais. Seu filho pode experimentar dificuldades menores de como ele ou ela se desenvolve, por isso, se você está preocupado com a questão do desenvolvimento mental, comportamental, ou física, por favor consulte o pediatra do seu filho.

Perda de audição
Mais comumente, aproximadamente 10-15% dos bebês assintomáticos podem experimentar a perda de audição, que pode ocorrer no nascimento ou mais tarde na vida. Estas crianças devem ser cuidadosamente monitorizadas, mesmo que eles passem no teste auditivo neonatal no hospital. A perda de audição para crianças assintomáticas geralmente começam em um ouvido, e, em seguida, podem progredir para perda auditiva severa ou profunda em uma ou ambos os ouvidos. Às vezes, a perda auditiva pode progredir ao longo de meses a vários anos, durante toda a infância, adolescência e mesmo na idade adulta jovem . Devido a isso, o rastreio regular e permanente em audiologista com um especialista em pediatria é recomendado para acompanhar de perto a perda de audição.

Problemas de visão / Perda
Menor perda de visão pode ocorrer em 1-2 por cento (1-2%) de bebês assintomáticos, geralmente causada por pequenas cicatrizes ou camadas de pigmento anormais na retina, que podem estar presentes no nascimento, ou pode ocorrer mais tarde durante a infância. As crianças devem ter seus olhos examinados no nascimento e em intervalos regulares durante a infância e adolescência.

Problemas de aprendizagem
O resultado cognitivo, ou a inteligência e a capacidade de aprender de crianças nascidas com CMV congênito assintomático é tipicamente dentro da normalidade para a maioria das crianças.

Paralisia cerebral / tônus muscular / Função Motor
Crianças nascidas com CMV congênito assintomático não parecem experimentar maiores ou menores dificuldades motoras ou tônus muscular causadas pelo CMV.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

As intervenções em curso e Terapias para bebês com CMV congênito.

Se seu bebê é diagnosticado com CMV congênito, certifique-se de ter a sua audição e visão verificada regularmente para identificar qualquer início precoce da deficiência auditiva ou perda de visão.
O diagnóstico precoce é fundamental para experimentar sucessos de desenvolvimento de longo prazo. Se você está preocupado com a atividade de apreensão potencial, registrar o comportamento do seu bebê e levar essa informação para o seu pediatra para que ele ou ela possa ajudar- lá a encaminhá-lo para uma consulta com um neurologista pediátrico.

A monitorização adicional, incluindo EEG , pode ser sugerido para avaliar adequadamente o seu filho para convulsões.

Intervenções adicionais podem ajudar a melhorar as habilidades cognitivas e físicas do seu filho. Existem programas disponíveis para as crianças por meio do Programa de Intervenção Precoce para bebês e crianças, com deficiência, ou que estão em risco de ter atrasos no desenvolvimento significativos.

“Deficiência" nessa idade pode variar de necessidades especiais graves a dificuldade de alimentação a atrasos nas habilidades motoras finas, a comunicação, ou desenvolvimentos musculares.

Diagnóstico do CMV

O CMV é um vírus comum que infecta as pessoas de todas as idades, independentemente da etnia ou classe socioeconômica, e a maioria das pessoas foram expostos ao CMV em algum momento de sua vida sem o seu conhecimento.

Uma vez que o CMV  estiver  no corpo de uma pessoa, ele permanece lá por toda  a vida. As pessoas com um diagnóstico CMV ativa, por vezes, vai lançar o vírus nos fluidos corporais, como urina, saliva, sangue, lágrimas, sêmen e leite materno. A transmissão do vírus pode ocorrer de forma intermitente, sem quaisquer sinais detectáveis, e sem causar sintomas.

Ter um filho com CMV congênito não faz de você mais propenso a ter outro. Não há aumento no risco de ter outro bebê que nasceu com CMV congênito.

No entanto, ocorrendo outra gravidez antes de sua infecção por CMV primária ser resolvido, pode aumentar o risco de transmissão do CMV para o seu próximo bebê.
As mulheres que sofreram um diagnóstico CMV durante a gravidez, uma perda fetal devido ao CMV, ou um recém-nascido com CMV congênito deve discutir esses fatores com o seu médico, que pode recomendar testes IgM e IgG de CMV anticorpos .

Se você estiver enfrentando uma infecção por CMV ativa, a maioria dos especialistas recomendam que as mulheres esperem seis a doze meses antes de tentar engravidar novamente. Seja paciente, sua paz de espírito vale a pena o tempo de consideração extra para que a infecção possa adequadamente ser resolvida, e em última análise, garantindo um começo saudável para a gravidez, para você e seu novo bebê.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Teste e Resultado para CMV

As mulheres podem ser testadas para CMV antes da gravidez - pergunte ao seu médico para fazer testes de anticorpos IgM e IgG para o CMV. Se uma mulher tiver sido exposta a uma infecção recente pelo CMV, recomenda-se que ela espere até que seus níveis de anticorpos IgM do CMV chegar a um nível indetectável, e seu índice de avidez IgG para o CMV suba a uma percentagem muito favorável, antes de tentar engravidar. Isso pode demorar de seis a doze meses. 
É importante esperar até que a infecção por CMV seja resolvido porque minimiza o risco de transmissão do CMV da mulher grávida para o bebê no útero. Se você já estiver grávida, você pode solicitar que os testes de laboratório de anticorpos IgM e IgG  para o CMV ser adicionado aos seus exames de rotina. Estes testes são relativamente baratos e são cobertos pela maioria dos planos de saúde. Aqui está uma explicação dos resultados dos testes de anticorpos IgG e IgM e o que eles significam para a sua gravidez: 

Resultado
Interpretação
IgG negativo 
IgM negativo
Não infectados por CMV
em risco de infecção primária
IgG positiva 
IgM positivo
Infecção recente por CMV
IgG positivo 
IgM negativo
Infecção passada por CMV que não é recente

Sem história de infecção por CMV antes - Certifique-se de praticar as precauções contra o CMV   para ajudar a minimizar o seu risco de contrair o CMV durante a gravidez. Você não deve precisar de mais testes de anticorpos CMV a menos que você comece a mostrar sinais de uma infecção por CMV, ou se o seu bebê mostrar sinais de uma possível infecção por CMV durante um ultrassom de rotina.  

A infecção recente por CMV  - Se você ainda não estiver grávida, consulte o seu médico quanto tempo você deve esperar antes de tentar engravidar. E se o seu médico não sabe ou você não tiver certeza, procure por um infectologista. 

Se você já estiver grávida, pergunte ao seu médico se você deve fazer ultrassons extras para acompanhar o desenvolvimento do bebê no útero e para confirmar que seu bebê não mostra quaisquer sinais de pré-natal de infecção por CMV.

Se seu bebê mostra sinais de infecção por CMV em ultrassom, uma Amniocentese pode ser necessário para saber se o seu bebê tem uma infecção por CMV . 

Infecção por CMV passada que não é recente  - Recomenda-se que você pratique recomendações de prevenção CMV durante a gravidez, porque é ainda é possível que uma infecção por CMV recorrente ou uma infecção com uma estirpe diferente de CMV pode causar dano leve para o seu bebê. Estas infecções são raras e geralmente resultam em deficiência menos grave do que as infecções primárias.








quinta-feira, 12 de maio de 2016

DIAGNÓSTICO DO CMV: O QUE SÃO IGG E IGM?

DIAGNÓSTICO DO CMV: O QUE SÃO IGG E IGM?

AUTOR: DR. PEDRO PINHEIRO

Sorologia é o nome do exame usado para identificar a presença de determinados anticorpos no nosso sangue. A sorologia é um método indireto de identificar uma infecção. Uma vez que só podemos desenvolver anticorpos contra germes que já nos contaminaram, ter sorologia positiva contra o CMV, por exemplo, significa que o paciente já teve citomegalovirose em algum momento da vida (mesmo que a doença tenha sido completamente assintomática).

A sorologia pesquisa dois tipos de anticorpos, a imunoglobulina G (IgG) e a imunoglobulina M (IgM). Quando entramos em contato pela primeira com algum micróbio, o sistema imunológico produz de forma relativamente rápida, dentro de alguns dias, anticorpos do tipo IgM. O IgM é um anticorpo de fase aguda, presente durante a fase ativa da infecção. Após a cura, o sistema imunológico passa a produzir outro tipo de anticorpo, o IgG. O IgG é um anticorpo de memória, utilizado pelo organismo para impedir que o paciente volte a se infectar pelo mesmo micróbio. Portanto, ter IgM circulando no sangue é um sinal de doença em fase aguda, enquanto que ter IgG reagente indica que o paciente teve a doença no passado e agora encontra-se imune à mesma.

Na maioria das infecções, a lógica dos anticorpos IgM e IgG é simples, conforme acabamos de explicar. Na citomegalovirose, porém, a situação é um pouco mais complexa.

No caso da infecção pelo CMV, os primeiros anticorpos do tipo IgM surgem dentro de 2 semanas e podem demorar até 12 meses para desaparecer. Isso significa que uma grávida de 2 meses pode fazer a sorologia, encontrar anticorpos IgM positivos, mas não ter sido infectada pelo CMV durante a gravidez, mas sim meses antes. Se a gestante não tiver tido sintomas, fica difícil saber se a infecção pelo CMV é recente ou ocorreu já há alguns meses.

A dosagem dos anticorpos tipo IgG ajuda um pouco a esclarecer essa situação. Os primeiros anticorpos IgG surgem cerca de 3 semanas após a infecção, aumentam de concentração durante algumas semanas e depois se estabilizam, permanecendo detectáveis para sempre no sangue. Portanto, se a gestante faz duas dosagens de IgG com 4 semanas de intervalo e o valor aumenta cerca de 4 vezes de uma para outra, isso é um sinal de infecção recente. Por outro lado, se os valores de IgG reagente forem semelhantes com 4 semanas de intervalo, isso significa um IgG já na fase estável, o que indica infecção antiga.

Mas a confusão não acabou ainda. Nos pacientes com reativação do CMV, os títulos de IgM e IgG podem se elevar da mesma forma que ocorre na infecção primária. Portanto, se a situação sorológico prévia da gestante não for conhecida, o fato dela ter um IgM reagente não ajuda muito, pois isso pode significar:

1- uma infecção antiga, que ocorreu há vários meses, mas que ainda tenha IgM positivo circulante.

2- uma infecção primária recente e, portanto, com risco de problemas para o feto.

3- uma reativação de um CMV antigo, situação que acarreta um risco mais baixo de complicações para o bebê do que a infecção primária.

Pelos motivos explicados acima, muitos obstetras não pedem de rotina a sorologia contra CMV, caso as gestantes sejam completamente assintomáticas. Na verdade, apesar da sorologia poder criar alguma confusão, principalmente ser vier com IgM positivo, ela pode ser útil na situação oposta, ou seja, quando a gestante tem um IgM negativo e um IgG positivo. Neste caso, isso significa que a grávida já teve CMV no passado, havendo um risco muito baixo dela desenvolver citomegalovirose durante a gravidez.

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Dicas de Prevenção CMV

Prevenção

CMV é mais comumente contraída através do contato com fluidos corporais de uma pessoa que exerce uma infecção por CMV ativa. Para as mulheres grávidas, mulheres que possam vir a engravidar, ou mulheres que trabalham com crianças pequenas, é imperativo praticar as precauções CMV, a fim de evitar a exposição ao CMV.

CMV e Gravidez saudável
Citomegalovírus ou CMV, é muito comum entre as crianças saudáveis de um a três anos de idade que estão em alto risco de contrair o CMV ou outros vírus de seus pares. É mais comumente transferido através do contato com a saliva de uma pessoa que leva uma infecção por CMV ativa. Mesmo que a criança possa parecer saudável e não parece ter quaisquer sintomas de estar doente, é possível que ele ou ela transmita o vírus por três a seis meses ou mais.

Dicas de Prevenção CMV

O contato com a saliva ou urina de crianças pequenas é uma das principais causas de infecção por CMV entre as mulheres grávidas, especialmente as mães, funcionários de creches, professores pré-escolares, terapeutas e enfermeiros. As mulheres que estão grávidas ou que estão planejando engravidar devem praticar a seguinte prevenção CMV e dicas saudáveis para mitigar o risco de CMV ser contraído:

Não compartilhar alimentos, utensílios, bebidas ou talheres
Saliva pode permanecer nos alimentos, copos ou talheres e poderia transferir uma infecção por CMV para você e seu bebê por nascer. Embora possa ser mais fácil para alimentar o seu filho a partir do seu próprio prato ou você não quer desperdiçar o restante da comida do prato do seu filho, é melhor não compartilhar alimentos ou talheres.

Não coloque uma chupeta em sua boca
Quantos de nós somos culpados de querer limpar a chupeta do nosso filho, colocando-o em nossa boca? Ou, suas mãos estão cheias e você colocar a chupeta na boca apenas para segurá-la por um momento? Saliva na chupeta de seu filho pode transferir CMV para você e seu bebê por nascer. Tente adquirir o hábito de colocar uma chupeta em seu dedo mindinho, e não em sua boca.

Evite contato com a saliva, quando beijar uma criança
Tente não beijar uma criança com menos de seis anos de idade nos lábios ou nas bochechas para evitar o contato com a saliva. Em vez disso, beije-os na testa ou na parte superior da cabeça e dê-lhes um grande e longo abraço.

Não compartilhe uma escova de dentes
Crianças gostam de imitar tudo o que a mamãe faz, incluindo fingindo escovar os dentes com a escova de dentes da mamãe, Guarde sua escova de dentes em uma área que o seu filho não pode alcançar.

Lave suas mãos
Lave as mãos frequentemente com água e sabão por 15-20 segundos, especialmente após as seguintes atividades:
Limpando o nariz ou baba de uma criança
Trocar fraldas
Alimentando uma criança
Manipulação de brinquedos para crianças.

terça-feira, 3 de maio de 2016

Saudades do Eduardo

Hoje faz 5 meses que o meu Eduardo voltou para o Pai. Saudades, muitas saudades.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Sinais do CMV em recém-nascido

Neonatais congênitas Sinais CMV

Trombocitopenia - níveis baixos de plaquetas no sangue
Petéquias (púrpura) - manchas vermelhas ou roxas no corpo causadas por vasos sanguíneos quebrados
Icterícia - pele e olhos amarelos causada pelo aumento dos níveis de bilirrubina no sangue
Microcefalia - pequeno tamanho da cabeça
Tamanho pequeno no nascimento
o Pequenos para a idade gestacional (PIG)
o Restrição de crescimento intra-uterino (CIUR)
O nascimento prematuro de etiologia desconhecida
Problemas de fígado, incluindo icterícia, de etiologia desconhecida
Problemas no baço
Problemas pulmonares
Problemas de sangramento
Problemas de crescimento
Convulsões
Perda de audição
Perda de visão
Deficiência mental

(Nota: Se um recém-nascido não mostrar qualquer uns dos sinais acima no nascimento, isso não significa que ele ou ela não pode ser diagnosticado com CMV congênito)

Se o recém-nascido tem algum destes sintomas e você acredita que eles podem ter nascido com CMV congênito, pergunte ao seu pediatra para testar o seu filho para a infecção por CMV .

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Os sintomas de CMV, Sinais e Apresentação

Quais os sintomas que são esperados normalmente durante a gravidez, e quais as que eu deveria entrar em contato com meu médico?
Cada mulher e gravidez é diferente, mas há alguns sintomas comuns que você pode ou não pode enfrentar, incluindo náuseas e / ou doença de manhã, luz manchas durante o primeiro trimestre, e sensibilidade nos seios devido a alterações hormonais. As mulheres também podem sentir cansaço, os desejos de comida e / ou aversões, azia e micção frequente.
Durante a sua gravidez, você pode experimentar uma febre, dor nas articulações, ou dor de garganta, o que pode parecer uma gripe ou resfriado comum, mas poderia ser uma infecção por CMV. Se você tiver algum destes sintomas durante a gravidez, pergunte ao seu médico para ser testado para CMV usando IgM e IgG teste de anticorpos.
Os sintomas mais graves que podem causar preocupação e pode necessitar de uma visita ao médico ou Pronto- Socorro incluem dor abdominal, sangramento significativo, e tonturas grave. Ligue para o seu médico imediatamente se você sentir algum destes sintomas.

Os sintomas de CMV, Sinais e Apresentação
A maioria das crianças e adultos que contraem o CMV não vai sentir quaisquer sintomas e sequer sabem que foram infectados. Outros podem desenvolver uma doença leve, ou pode ter qualquer um dos seguintes sintomas:
Febre alta
Fadiga
Desconforto geral, inquietação ou sensação de mal
Rigidez articular
Dores musculares ou dor nas articulações
Suor noturno
Febre prolongada
Dor de garganta
Inchaço dos gânglios linfáticos
Fraqueza
Perda de apetite
Perda de peso
Uma vez que estes também são sintomas de outras doenças, a maioria das pessoas não percebem que eles foram infectados com CMV. Se você tem experimentado algum desses sintomas durante sua gravidez, semelhante a uma doença sazonal, pergunte ao seu médico para testá-lo para a infecção por CMV .  Se você acredita que você tenha contraído CMV durante a gravidez, ultra-sons e / ou amniocentese regulares são os métodos preferidos para determinar se CMV foi passado para o bebê no útero.

Pré-natal Sinais de CMV congênito
espessamento da placenta
aumento anormal de órgãos - organomegalia
Hepatomegalia - aumento anormal do fígado
A esplenomegalia - aumento anormal do baço
Pyelectasis - dilatação da pelve renal, a parte proximal em forma de funil dilatada do ureter (tubos musculares que impulsionam a urina dos rins para a bexiga) nos rins (também um marcador para a síndrome de Down)
Megaloureter - dilatação anormal do ureter
Ascite - termo da Gastrenterologia para uma acumulação de fluido na cavidade peritoneal (é um espaço potencial entre o peritoneu parietal e visceral peritoneu; isto é, as duas membranas que separam os órgãos da cavidade abdominal da parede abdominal)
Hidropisia fetal - acúmulo de líquido nos compartimentos fetais
Anormalidade de líquido amniótico
Microcefalia - circunferência da cabeça pequena, mais de dois desvios-padrão menor que a média
ventriculomegalia cerebral - dilatação dos ventrículos laterais do cérebro
Calcificações intracranianas - o acúmulo de sais de cálcio no tecido mole do cérebro
Imagem hiperdensa em artérias tálamo
echodensities periventriculares
echodensities hepáticas
echodensities intestinais
Estruturas císticas na zona germinal
Um recém-nascido que apresentar qualquer um dos seguintes sinais ou sintomas podem ter CMV congênito.

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Tipos de Infecções por CMV

Tipos de  Infecções por CMV

Primário
Uma infecção primária de CMV é a primeira vez que se contrai de CMV. As pessoas com uma infecção por CMV primária não terá imunidade pré-existente ao vírus. A infecção por CMV primária terá impacto 1-4 por cento (1-4%) das gestações e pode resultar em defeitos de nascença e deficiências de desenvolvimento. Normalmente, há menos risco de complicações relacionadas com o CMV, doença ou anormalidades em bebês com mães infectadas antes da gravidez.

Recorrente
A infecção recorrente do CMV é quando uma infecção por CMV anterior que tem sido considerado adormecido se torna ativo novamente. Uma infecção recorrente raramente irá causar sintomas visíveis porque o corpo tem imunidade pré-existente ao vírus. A reativação do CMV pode ocorrer quando o sistema imunológico de uma pessoa é suprimido devido ao estresse, doenças, hospitalizações, ou certas drogas terapêuticas. Se você já tiver sido exposto ao CMV, seu corpo tem anticorpos contra o vírus. Se você estiver grávida, estes anticorpos, juntamente com outros fatores imunes, aparecem para proteger o feto de doenças mais graves devido a uma infecção por CMV primária.

Reinfecção
A reinfecção  é uma nova infecção com uma estirpe diferente do vírus CMV. Este tipo de infecção é muito incomum e as suas consequências são desconhecidas no momento.

Que testes ou exames que devo esperar durante a minha gravidez?
Durante a gravidez, você terá vários testes de rotina diferentes e exames, incluindo laboratórios de sangue e urina para HIV / DST, anemia, diabetes, hepatite B e pré-eclâmpsia. Seu médico também pode solicitar o teste genético se tiver mais de 35 anos, já teve uma gravidez de alto risco ou de parto prematuro, ou se certas condições genéticas ou médicos em sua família.

Outros testes comuns incluem ultra-som, a amniocentese, triagem tripla ou quádrupla, e biópsia de vilo corial (CVS). Seu médico também pode optar por testar você para citomegalovírus ou CMV, usando CMV IgM e teste de anticorpos IgG, que vai indicar se você tiver sido exposto a CMV no passado e se você deve exigir rastreio adicional durante a gravidez para monitorar a saúde e desenvolvimento do seu bebê. Se você gostaria de saber o seu estado de CMV antes ou durante a gravidez, pergunte ao seu médico para encomendar este teste, que é relativamente barato e é coberto pela maioria dos planos de saúde.

Como acontece a Transmissão do CMV

Como acontece a Transmissão do CMV 

Transmissão de CMV é muito raro através do contato casual. CMV é transmitido de uma pessoa para outra, geralmente pelo contato direto e prolongado com fluidos corporais, incluindo saliva, urina e leite materno. CMV é comum entre crianças saudáveis de um a três anos de idade que frequentam creches e pode facilmente propagar o vírus CMV entre os seus pares. CMV, geralmente não é prejudicial para essas crianças e a maioria não apresentam sinais ou sintomas de infecção. O contato com a saliva ou urina de crianças pequenas é uma das principais causas de infecção por CMV entre as mulheres grávidas, especialmente as mães, funcionários de creches, professores de pré-escolas, terapeutas, e enfermeiros. As mulheres que estão grávidas ou a planejam engravidar e que têm contato próximo com as crianças devem praticar os procedimentos de higiene padrão para se prevenirem contra o CMV congênito. Certifique-se de lavar as mãos depois de:
Trocar fraldas
Alimentando uma criança
Limpando o nariz ou boca de uma criança
Manipulação de um brinquedo de criança
Embora menos comum do que a exposição à urina ou saliva de uma criança, uma outra possível via de infecção é através do contato sexual com um parceiro infectado CMV.

Tipos de Transmissão
Transmissão durante a gravidez
O CMV pode ser transmitido para o feto de uma mãe com uma infecção primária ou recorrente por CMV. Quando o feto pega CMV antes do nascimento, ele é conhecido como uma infecção por CMV congênito. Aproximadamente 90% de todos os fetos infectados com CMV nascem sem sintomas do vírus; no entanto, os dez por cento restantes (10%) terão diferentes graus de anormalidades.

Transmissão durante o nascimento
CMV pode ser transmitido para os recém-nascidos através do contato com secreções genitais maternos durante o parto ou através do leite materno. No entanto, as infecções que ocorrem através destas rotas geralmente resultam em pouca ou nenhuma doença clínica no recém-nascido, a menos que o recém-nascido é muito prematuro.

Transmissão durante a amamentação
Não existem recomendações contra a amamentação por mães que estão infectadas pelo CMV. Os benefícios potenciais de leite humano versus o risco de transmissão do CMV devem ser considerados quando tomar uma decisão sobre aleitamento materno para os recém-nascidos de muito baixo peso (peso ao nascer <1.500 g) por mães conhecidas por terem uma infecção ativa do CMV.
Recém-nascidos prematuros, <peso 1000g nascimento e <30 semanas de idade gestacional, podem estar em risco elevado de uma adquirida (após o nascimento, no período neonatal) infecção por CMV sintomática e pode apresentar uma síndrome. Congelar e pasteurizar o leite materno pode diminuir o risco de transmissão de CMV; No entanto, o congelamento não elimina completamente o risco.

Transmissão
As pessoas com uma infecção por CMV ativa, por vezes, pode lançar o vírus nos seus fluidos corporais, tais como urina, saliva, sangue, lágrimas, sémen, e leite materno. A transmissão de CMV pode acontecer sem qualquer sintoma aparente e sem causar quaisquer sintomas visíveis

segunda-feira, 18 de abril de 2016

O que é CMV?



A Fundação Nacional do CMV é uma rede de advogados da consciência CMV e combatentes que trabalham para informar e educar as comunidades deste vírus devastador com o objetivo de um dia erradicar a infecção por citomegalovírus.

O que é CMV?

Citomegalovírus ou CMV, é um membro da família do vírus do herpes É uma ocorrência comum as pessoas serem infectadas com vírus CMV e, é normalmente inofensivos para a população em geral. A infecção por CMV causa sintomas gripais, tais como dor de garganta, febre, fadiga e inchaço das glândulas. Estes sintomas citomegalovírus leves duram apenas algumas semanas curtas e raramente são motivo de preocupação para as crianças saudáveis ​​ou adultos. É importante notar que o vírus CMV pode causar sérios problemas para as pessoas com sistema imunológico enfraquecido (imunocomprometidos) devido a transplantes de órgãos, HIV / AIDS infecção, quimioterapia e medicamentos específicos, tais como glicocorticoides, citostáticos, anticorpos e drogas agindo sobre imunofilinas. 
Uma vez que o vírus CMV está no corpo de uma pessoa, ele permanece lá por toda a vida.

O vírus CMV também pode causar doença grave em bebês que foram infectados com CMV antes do nascimento (referido como CMV congênito).

CMV na Gravidez: CMV congênito

CMV na gravidez pode apresentar um problema crítico para os bebês que estão infectados com CMV antes do nascimento. Isto é referido como CMV congênito e ocorre quando uma mulher grávida passa o vírus para o feto através da placenta, causando defeitos congênitos e deficiências de desenvolvimento.

A infecção congênita por CMV é sem dúvida a causa evitável mais comum de incapacidade neonatal nos Estados Unidos . Mais crianças terão deficiência devido a CMV congênito do que de outras infecções e síndromes bem conhecidas, incluindo Síndrome de Down, síndrome alcoólica fetal, Espinha Bífida e Pediátrica HIV / AIDS.

Quase 90% das crianças nascidas com CMV congênito parecem saudáveis ​​ao nascer e a grande maioria não terá quaisquer sintomas visíveis ou questões de longo prazo. Os problemas de saúde ou deficiências causadas por infecção congênita por CMV pode às vezes aparecer cerca de dois ou mais anos após o nascimento. Bebês e crianças que estão infectadas com CMV após o nascimento raramente apresentam sintomas e não serão expostos a problemas permanentes ou deficiências.



terça-feira, 12 de abril de 2016

Adeus.

O falecimento do Eduardo foi um choque para mim, eu estava cuidando do meu pai que estava com câncer terminal, voltava nos finais de semana para cuidar do meu filho. Ele apresentava uma febre não muito alta dia sim dia não. Numa quarta-feira 02/12/2015 a minha filha e o meu genro levaram o Eduardo no UPA e depois dos exames de sangue foi constado que estava com infecção urinária e passou a tomar antibiótico, no dia seguinte estava 'normal', comeu, andava, dava risada, não engasgou com a comida, estava se comportando como sempre.
Á tarde quando a minha filha foi dar sopa ele não quis, e uma hora depois ela já o encontrou morto.
Foi um choque e até hoje fica difícil entender, na autópsia foi declarado como edema pulmonar, bronquiopneumonia e septcimia.
O fato interessante é que nem resfriado ele estava, nem tosse e nem coriza.
Pensando como foi que aconteceu, acredito que Deus atendeu o meu pedido, sempre pedi para o Pai não deixar o Eduardo ficar hospitalizado, porque o meu filho odiava o hospital, teria que ser sedado e poderia entrar em coma, o que seria bem pior.
Não há consolo para a perda do meu Dudu, mas pelo menos eu sei que ele não sofreu, simplesmente ele se foi silenciosamente.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

terça-feira, 29 de março de 2016

Cientistas buscam respostas sobre a zika em outros vírus como rubéola e citomegalovírus.

Cientistas buscam respostas sobre a zika em outros vírus.

The New York Times Carl Zimmer
15/02/2016

Nos últimos meses, o vírus da zika rapidamente ganhou tanta notoriedade quanto o ebola ao se espalhar pelo Ocidente. Pesquisadores no Brasil, onde foi detectado pela primeira vez, em maio, vinculam as infecções em mulheres grávidas a uma disfunção conhecida como microcefalia, que faz com que os bebês nasçam com a cabeça muito pequena.
Porém, a zika não é o único relacionado a defeitos de nascimento; alguns outros vírus, tais como o da rubéola e o citomegalovírus, representam um grave risco durante a gravidez. Pesquisadores descobriram algumas pistas importantes sobre como esses patógenos afetam os fetos -- e que estão ajudando a orientar pesquisas na provável ligação entre a zika e a microcefalia.
"Acho que vamos descobrir um monte de paralelos", disse Mark R. Schleiss, diretor de Infectologia Pediátrica e Imunologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Minnesota, nos EUA.
O risco que os vírus representam durante a gravidez foi percebido em meados do século passado, quando surtos de rubéola levaram a ondas de defeitos congênitos, incluindo microcefalia, catarata e deformidades cardíacas e hepáticas.
O número de bebês afetados foi surpreendente: em uma epidemia na Filadélfia, EUA, em 1965, um por cento de todos os bebês nasceram com Síndrome da Rubéola Congênita (SRC), que também pode causar surdez, deficiência de desenvolvimento, baixo peso ao nascer e convulsões.
Graças às vacinas, esse quadro agora é raro nos Estados Unidos e em vários outros países. "Tenho 52 anos e vi apenas um caso de Síndrome da Rubéola Congênita", disse David W. Kimberlin, professor de Pediatria da Universidade de Alabama, em Birmingham.
Porém, o vírus ainda é uma ameaça grave nos países em desenvolvimento. Em todo o mundo, mais de cem mil crianças nascem a cada ano com SRC.
Outros agentes também foram identificados como causadores de defeitos congênitos: o citomegalovírus, por exemplo, contribui anualmente com pelo menos cinco mil deles, só nos Estados Unidos.
Os médicos não fazem exames sistemáticos para ele ou outras ameaças virais bem conhecidas e pode ser difícil conectá-los a defeitos de nascimento. A menos que haja um surto repentino, é complicado distinguir os efeitos do vírus de outras causas.
Como resultado, a verdadeira escala de defeitos congênitos causados dessa forma permanece desconhecida.
"Não temos uma boa estimativa desse número", disse Peggy Honein, epidemiologista do Centro de Controle e Prevenção de Doenças.
Compreender como certos vírus infectam fetos tem sido um grande desafio para os cientistas. O citomegalovírus só ataca seres humanos: para estudar a doença em, por exemplo, porquinhos-da-índia, os pesquisadores tiveram de usar uma espécie de citomegalovírus que infecta apenas esses animais.
Recentemente, no entanto, os cientistas descobriram como desenvolver o vírus em culturas de células humanas; esses estudos têm ajudado a mostrar que, quando uma mulher grávida é infectada, o citomegalovírus não ataca o feto imediatamente.
Lenore Pereira, virologista da Universidade da Califórnia em San Francisco e outros pesquisadores documentaram uma longa série de etapas pelas quais o vírus deve passar para completar esse trajeto. "Pode levar semanas", disse ela.
O citomegalovírus infecta primeiro a parede do útero; em seguida, dirige-se à placenta, mas ataca apenas determinados tipos de células.
Ele segue então para o saco amniótico e depois para o feto.
Se atingí-lo no início do desenvolvimento, a infecção pode causar sérios danos, especialmente ao cérebro -- que, nessa altura, já cresce rapidamente, embora o sistema imunológico não esteja desenvolvido.
Quando o citomegalovírus chega ao dito órgão, espera alguns dias e somente depois que começa a amadurecer é que o vírus se multiplica dentro de células-tronco, que mais tarde darão origem aos neurônios.
O processo parece suspeitamente bem cronometrado para alguns pesquisadores. "Talvez a estratégia seja não matar o hospedeiro", disse Dana G. Wolf, diretora da Unidade de Virologia Clínica do Centro Médico da Universidade Hebraica Hadassah, em Jerusalém.
No Brasil, os cientistas estão comparando os danos cerebrais que podem ter sido causados pelo vírus da zika com o que se sabe sobre os efeitos do citomegalovírus e do agente da rubéola. "Algumas descobertas em nossos pacientes são surpreendentemente diferentes", disse Lavinia Schuler-Faccini, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
"O zika vírus parece causar mais danos ao cérebro", disse Lavinia. Ela observou que a superfície de alguns dos cérebros microcefálicos se torna excepcionalmente macia, sintoma não visto em infecções de rubéola ou citomegalovírus.
Sua hipótese é de que o vírus infectou os fetos nos primeiros estágios de desenvolvimento, criando uma maior perturbação das células que dão origem ao cérebro.
Gil G. Mor, diretor de ciências reprodutivas na Escola de Medicina da Universidade de Yale, disse que os cientistas não devem excluir a possibilidade de que o vírus da zika tenha causado danos sem nunca ter infectado os fetos.
Ele e seus colegas encontraram evidências de tais danos indiretos ao infectar ratas grávidas com um vírus semelhante ao do herpes -- que nunca passou da placenta e infectou o feto, mas mesmo assim, de alguma forma, as mães deram à luz filhotes com deformidades cerebrais.
Segundo Mor, quando certos vírus atacam a placenta, podem desencadear uma resposta imunológica poderosa da mãe. Moléculas que provocam inflamação se propagam da infecção, e algumas podem chegar ao feto. Seus tecidos podem então inchar e se danificar, chegando até a morrer.
Mor disse que suspeitou que os cérebros dos fetos pudessem ser especialmente vulneráveis a esse tipo de dano no início de seu desenvolvimento. "Tudo o que vem da mãe vai para o cérebro, seja bom ou ruim."
"Como resultado, os pesquisadores que procuram uma conexão entre o vírus da zika e os defeitos de nascimento não devem limitar sua pesquisa apenas a crianças com deformidades. Você pode procurar e não encontrar nada", acrescentou.
Koen Van Rompay, virologista da Universidade da Califórnia em Davis também está à procura do vírus da zika, mas não em seres humanos. Ele e seus colegas estão se preparando para infectar macacas grávidas para ver como seus descendentes são afetados.
Se descobrirem defeitos de nascimento, vão investigar se o vírus invade diretamente os fetos ou se causa uma resposta imunológica nociva na mãe.
"Vamos manter as duas opções em aberto", disse Van Rompay.
As lições que os cientistas aprenderam com vírus tais como o da rubéola e o citomegalovírus também podem apontar para possíveis tratamentos.
"Se entendemos como infecta as células, podemos desenvolver maneiras de suprimí-lo", disse Lenore Pereira. Estudos do citomegalovírus, por exemplo, sugerem que pode ser possível evitar problemas congênitos injetando anticorpos na mãe antes que o vírus chegue ao feto.
Mor disse que a atenção voltada agora para o zika pode fazer os cientistas avaliarem o quanto um vírus consegue afetar a saúde fetal.
Além das deformidades presentes no nascimento, essas infecções também podem ter efeitos tardios sobre as crianças. Aos oito anos, por exemplo, ela pode ficar surda por causa do citomegalovírus que infectou sua mãe durante a gravidez.
Os efeitos da reação da mãe ao vírus podem também ser de enorme importância, mas, até agora, os cientistas não os compreendem muito bem. Alguns estudos sugeriram que uma infecção viral durante o desenvolvimento fetal pode aumentar o risco de a criança desenvolver autismo ou esquizofrenia. Levará muitos anos e muito mais evidências para confirmar essas conexões.
"Não podemos ignorar as infecções durante a gravidez. O problema não é apenas a zika", disse Mor.

domingo, 21 de fevereiro de 2016

E-mail carinhoso

Recebi esse e-mail carinhoso e quis compartilhar com vocês.
Denise, quis deixar uma mensagem de carinho e apoio nesse momento em que as perdas que vc viveu nos últimos tempos ainda estão tão doloridas. Mando meus sentimentos a vc e aos outros membros da sua família. Há 4 anos, quando engravidei de meu filho, buscava avidamente por informações sobre este vírus devastador (não tenho imunidade até hj e quis tanto entender um pouco como tentar me proteger e proteger meu bebê). Deparei-me muitas vezes com ignorância por parte dos de profissionais da saúde que muito pouco sabiam informar sobre o vírus, sua relevância e prevalência, e o que ouvi deles e dos parentes era "ah, não se preocupe, vc não pegou isso até agora, não é agora que irá pegar, e se vc ficar preocupada isso só vai fazer mal ao bebê". Ou "se vc pegar tem uma chance pequena de dar algum problema, nem fiquei com isso na cabeça". Ai, puxa vida, quanto mais me informava, mais sentia que outras grávidas precisariam saber dos riscos e das formas de contágio para fazer o que fosse possível no sentido de tentar se proteger. Ainda que não haja muito o que fazer, há medidas de higiene e comportamento que diminuem o risco mas com essa "ignorância" de dizer essas frases prontas, ninguém nem menciona os cuidados para as grávidas. A maioria nem sabe o que significam os exames que são pedidos. E se perguntam, ouvem "não tem nada que vc possa fazer para não pegar, então nem esquente a cabeça". Ora, saber que crianças pequenas são os maiores disseminadores do vírus traz já alguma informação de "alerta", lave as mãos, ao menos! Não dívida objetos de uso pessoal com crianças pequenas, enfim, algumas medidas ao menos há de se aproveitar da informação.
Vi sua história na tv um dia, no meio da minha busca por informações. E soube do seu blog. Li seus posts, vi seus links, e fui me informando e ficando muito grata que vc e algumas outras poucas pessoas falavam disso (poucas fontes confiáveis mesmo em tempos de fácil circulação de informação). Pelo menos eu tinha algo para me informar. Bem, meu filho nasceu bem, graças a Deus. E tb à informação, certamente. Coisa que faltou tantas vezes no seu caminho mas que hj, tantos anos depois, ainda falta demais nos caminhos de outras mães.Hj em dia estou grávida novamente e novamente tentando proteger meu bebê, que desta vez é uma menina. Tenho muito mais medo do CMV hj em dia por ter um filho pequeno dentro de casa, que pode atuar inadvertidamente como "vetor". Acabo tentando tomar muitos cuidados mas, claro, nada é garantido. Agora com toda essa preocupação com os danos que o Zika vírus parece causar, o assunto está em pauta e fico mais aliviada que ao menos de vez em quando se cite o CMV, dando chance de mais gestantes procurarem informação. Esse monte de sequelas que o Zika parece provocar e que estão fazendo tantas grávidas ficarem alerta ou até em pânico, no fundo, são muito semelhantes com o que o CMV pode causar e ninguém nunca achava que se justificava falar do CMV. Agora ficou até mais fácil eu explicar para os conhecidos as preocupações com Toxo e CMV, faço paralelos com Zika, e nesse todos já ouviram falar.Bem, comentei isso tudo porque tento o exercício diário de me colocar no seu lugar, de tentar imaginar minimamente o tamanho da sua sua luta em 30 anos, e ainda paralelamente tentar lutar tb para que a informação chegue às grávidas, as mães, aos médicos. Nos jornais o Zika aparece todos os dias e penso na batalha que essas mães terão pela frente e que tão pouco sabem sobre o que irão enfrentar. O que o amor irá enfrentar... Quis agradecer esse pedaço de força sua que foi e tem sido um apoio para mim na minha jornada. Vc é, para mim, uma definição de pessoa guerreira. Vc e seu filho. Meu sentimentos pela sua dor, Denise. E meu "obrigada" por dividir isso e dividir informação. Não há um dia, nesses meses, que eu não pense no CMV, Zika, etc, pois minha vida tem sido tentar proteger essa bebê que está aqui dentro de mim. Mas espero, se Deus quiser, que vá chegar o dia em que eu não precisarei mais me preocupar com esses vírus. Mas a semente que ficará, essa não me abandonará, é que sempre me preocuparei em espalhar informação. E isso tudo terá tido um valor diferente se for para ajudar a instruir alguém, e a proteger alguém na barriga.Sinta-se sempre uma mulher forte e vitoriosa. Acho que vc já deve imaginar mas se não sabe, eu te afirmo que a sua história ainda vai inspirar muitas dessas mães da "síndrome da Zika congênita", geração que, infelizmente, enfrenta uma batalha tão grande quanto pode ser ter um filho especial. Mas tenho certeza de que essa vida que existiu na sua relação com seu filho especial, com sua família especial, tem um sentido maior. E muito maior do que vc pode imaginar.Obrigada.Um forte abraço de alguém que vc não conhece, mas que tem, de alguma forma, vc e sua família no coração. Fique com Deus.Paula
Oi Paula, fiquei emocionada ao ler o seu e-mail, obrigada pelo apoio e carinho.O CMV é um vírus maldito, por ser silencioso, sem aparecer os sintomas. Infelizmente, a falta de médicos que saibam lidar com o CMV é a maioria e como não há uma estatística, eles não se preocupam muito.Hoje se fala muito do Zica vírus, que causa a microcefalia e me preocupo porque não temos uma política de saúde eficaz, tanto no combate quanto nos cuidados desses bebês.Essas mamães enfrentaram dificuldades, preconceitos, falta de informações para cuidar dos pequenos.Há trinta anos atrás não havia nenhuma informação sobre o CMV, tive que ir atrás em busca de conhecimento para lidar com o meu filho, e hoje já temos tratamentos e fisioterapias, fonos, neuro, psiquiatras, oftalmo, mas, não temos vacina para imunizar os bebês.Graças a Deus que o seu filho nasceu normal e a sua filha também será sadia.Tanto o CMV quanto a Zica causam deficiências, porém, o CMV é mais destruidor porque causa surdez, cegueira, retardo mental, paralisia e microcefalia.Pelas notícias, pouco se fala das sequelas da microcefalia, provavelmente, para não assustar as futuras mamães e isso pode afetá-las muito ao não saber como lidar com os seus filhos.Com o Eduardo, foram trintas anos de amor e lutas e, sinto saudades todos os dias. E hoje foi um dia especial, espalhei as cinzas dele no mar como um símbolo de liberdade.Um abraço forte e obrigada pelo carinho.

domingo, 3 de janeiro de 2016

Um mês sem você

Hoje faz um mês que o Eduardo está junto de Deus. Sinto sua falta imensamente todos os dias, A perda de um filho é devastadora, mais ainda, depois de conviver 24 horas por dia durante 30 anos.
Eduardo, você levou uma parte de mim, deixou um vazio na minha vida, estava acostumada a viver com e por você todos os dias.
Você foi meu mestre, mesmo com todas as deficiências graves que tinha, era feliz, até uma querida amiga me lembrou que eu falei há muito tempo atrás: ” Se Eduardo era feliz, eu não podia ser infeliz”. Lembro das suas risadas gostosas e pensava que estava brincando com os anjinhos e me fazia feliz.
Foram 30 anos de lutas, de brigas com os médicos que não sabiam o que fazer com você por que não falava, não ouvia e não enxergava. Eu era a sua intérprete, aprendemos a nos comunicar um com o outro, uma linguagem que só nos dois conhecíamos, uma linguagem de amor, de carinho de aceitação.
Eduardo foi um guerreiro, passou por cirurgia cardíaca, por várias doenças e sempre arteiro, destruidor de móveis e louças, roupas, dava uma canseira por não dormir à noite.
Agradeço pelas lições de vida que ensinou, agradeço pelos bons e maus momentos pelos quais vivemos, agradeço por ensinar-me a ter um amor incondicional.

Um amor que nem a morte acaba, eu te amei, eu te amo e eu te amarei para sempre e um dia vamos estar juntos de novo felizes.

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Luto ou três lutos?

Em 11 dias, perdi o meu filho amado Eduardo, dois dias depois o meu tio Luiz M. Shimizu​ e ontem o meu pai. Se é difícil viver 1 luto, 3 é demais, muito triste e dolorido.
"Tudo posso naquele que me fortalece". Só Deus para me consolar e dar forças para seguir em frente.
Eu encaro a morte não como um fim, mas como uma libertação para a vida eterna, eu creio que os que partiram estão vivendo na glória de Deus.
Sinto saudades, as lembranças estão guardadas no meu coração, sinto falta do meu filho e o que me consola é saber que ele está livre do corpo deficiente devido ao citomegalovírus,que o aprisionava e impedia de ter uma vida normal.
A única certeza que eu tenho nessa vida é que um dia morreremos e teremos a vida eterna.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Adeus meu filho Eduardo

Dia 03/12/2015 o Eduardo voltou para a casa do Pai, sem sofrimento, sem hospital, faleceu de repente em silêncio depois de 30 anos de luta.
Obrigada Eduardo por ensinar a sermos mais humanos, apreciar a coisas simples da vida.
Foi e continua sendo uma experiência de amor incondicional, de aceitação, de admiração por ter sido um guerreiro,superando todas as expectativas dos médicos.
Já estou com saudades de você meu príncipe, meu eterno baby. Aqui fica minha homenagem a você:

"A morte não é tudo".

"A morte não é tudo.
Não é o final.
Eu apenas passei para a sala seguinte.
Nada aconteceu.
Tudo permanece exatamente como foi.
Eu sou eu, você é você,
e a antiga vida que vivemos tão
maravilhosamente juntos permanece
intocada, imutável.
O que quer que tenhamos sido um para o outro, ainda somos.
Chame-me pelo antigo apelido familiar.
Fale de mim da maneira que sempre fez.
Não mude o tom. Não use nenhum ar solene ou de dor.
Ria como sempre fizemos das piadas que desfrutamos juntos.
Brinque, sorria, pense em mim, reze por mim.
Deixe que o meu nome seja uma palavra comum em casa, como foi.
Faça com que seja falado sem esforço, sem fantasma ou sombra.
A vida continua a ter o significado que sempre teve.
Existe uma continuidade absoluta e inquebrável.
O que é esta morte senão um acidente desprezível?
Porque ficarei esquecido se estiver fora do alcance da visão?
Estou simplesmente à sua espera,
como num intervalo, bem próximo,
na outra esquina. Está tudo bem!"

O texto é a tradução de um poema de 1910.
Ele foi escrito pelo padre e poeta inglês,
Henry Scott Holland para o sermão da missa
de morte do rei Eduardo VII, em 1919.